Enxoval: cuidados na hora de higienizar as roupas do bebê

Roupas do bebê
Imagem: Pixabay

Os itens do enxoval são peças delicadas,
por isso é importante saber como
higienizar as roupas do bebê.

Desde aquele sonhado positivo até ter seu pacotinho de amor nos braços, muita coisa acontece em 40 semanas. É hora de preparar o espírito, o psicológico e a casa para a chegada do novo “serzinho”. E o enxoval é um dos principais itens da lista dos futuros papais. Mas aí bate uma dúvida: higienizar as roupas do bebê?

Os itens do enxoval são peças delicadas e os cuidados com a higienização são importantes para evitar incômodos aos recém-nascidos. “É essencial que as roupas sejam higienizadas antes do uso, isso ajuda a prevenir possíveis alergias ou irritações aos bebês”, comenta Alexandre Diniz, diretor executivo da Quality Lavanderia.

Por isso a lavagem individual das peças, com toda a atenção, para eliminar qualquer tipo de sujeira ou resíduo, é o mais recomendável.

Uma dica importante é não se pode lavar as roupinhas do bebê com as roupas dos demais integrantes da família para não ocorrer o contato com outros tipos de sujidades.

É importante lembrar também que a limpeza deve ser realizada sem produtos químicos, principalmente amaciante, porque a criança ainda estará muito sensível e há riscos de irritações na pele.

“Há serviços específicos para esses processos nas lavanderias. Na Quality Lavanderia, por exemplo, a oferta inclui não apenas as roupas, mas também o kit de berço e até o carrinho do bebê. As técnicas aplicadas são de acordo com o tipo de tecido e formato do item e os produtos utilizados são testados para garantir 100% de limpeza, evitando que ocorram incômodos alérgicos”, conclui Diniz.

E o que fazer com as roupinhas que não servem mais?

Com o tempo, os guarda-roupas começam a ficar abarrotados com as roupas dos bebês, afinal eles crescem muito rápido e perdem boa parte do enxoval em poucos meses.

Por isso é necessário tomar uma decisão sobre o que fazer com as peças que já não servem mais.  

Algumas mães guardam roupas com alguma ligação afetiva com um momento vivido com seus pequenos, outras não se importam em se desfazer das roupas.

“Não existe uma resposta pronta e, muito menos, o que é certo ou errado. Uma mesma pessoa pode optar por guardar, vender e/ou doar. Por isso, criamos um tutorial bem detalhado que ajuda os pais a decidirem o que fazer com cada peça”, explica Natália Mennocchi, fundadora da Ops!Cresci.

Independente de qual seja a decisão sobre o que fazer com as roupinhas, confira as nossas dicas:

Guardar

Se a mãe pensa em ter outro bebê e tem espaço sobrando em casa, guardar as roupinhas é uma boa opção.

O primeiro passo será selecionar as peças que valem a pena ser guardadas e higienizá-las.

Para o armazenamento, vale embalar as peças a vácuo ou usar saquinhos de TNT, lembrando que a dica é colocar produtos antimofo ou bastões de giz para absorver a umidade dos armários.

Se a mãe não pretende ter mais filhos, ela pode optar por guardar algumas peças como lembrança. Neste caso, existem algumas formas de eternizá-las:

·        Ursinhos de pelúcia: transformar a roupinha preferida em um bichinho de pelúcia personalizado e especial.

·        Emoldurar as peças: criar um quadrinho com roupinhas, foto do pezinho e teste de gravidez para pendurar no quarto do filho.

·        Metalização: metalizar os sapatinhos e chupetas em bronze antigo, bronze brilhante e níquel (prateado).

·        Caixinha de recordações: selecionar as peças favoritas e criar uma caixa de recordações para se lembrar de quando o filhote era pequeno.

Doar

As pessoas têm ficado cada vez mais conscientes sobre a importância de cuidar dos recursos do planeta e prolongar a vida útil das roupas.

Por isso, o que antes era visto por alguns com preconceito, já está virando rotina. Muitas pessoas estão criando o hábito de repassar, dentro da própria família ou entre amigos, as roupinhas de boas marcas que estão em boas condições.

Tem também a opção de doação mais conhecida: para instituições de caridade ou pessoas com menos condições financeiras.

É importante lembrar que doação não é descarte. Só deve ser doado aquilo que está em boas condições. Além disso, as roupas devem ser lavadas para que a pessoa receba tudo limpinho e cheiroso. É uma atitude de carinho e respeito com quem vai receber.

Vender

As despesas com as crianças não param. Por isso, não há nada de errado em vender as roupas que já não servem e fazer um dinheiro extra.

“Ao vender peças de boas marcas e em boas condições, a mãe também estará realizando o sonho de muitas mulheres que não poderiam adquirir uma peça nova de determinada marca, por conta do custo”, reforça Natália Mennocchi, fundadora da Ops!Cresci.

Veja também:

Acompanhe as notícias do Maternidade Moderna também nas redes sociais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui